O cão como companheiro do homem - Royal Canin
Royal Canin Brasil O Cão O Cão Cães que servem o homem O cão como companheiro do homem

Cães que servem o homem

O cão como companheiro do homem

Indiscutivelmente, uma ótima companhia

Este esporte exige uma excelente condição física por parte do cão, bem como por parte do dono, para ser praticado por um longo período e em todas as estações climáticas. Também exige força de caráter, tenacidade e senso de observação, além das qualidades olfativas exigidas a um bom cão de caça.

Cães de caça

Este esporte exige uma excelente condição física por parte do cão, bem como por parte do dono, para ser praticado por um longo período e em todas as estações climáticas. Também exige força de caráter, tenacidade e senso de observação, além das qualidades olfativas exigidas a um bom cão de caça.
 
Os métodos de caça, os motivos, a presa, tudo resultou em uma diversificação extraordinária dos tipos físicos dos cães. Hoje, existem centenas dessas raças, criadas para usos e tipos de terra específicos! Os cães terrier, os cães aquáticos, cães de matilha, os apontadores ou apanhadores, todos têm especialidades, tipos físicos e características visuais ou olfativas próprias. Sem um cachorro, o amigo e companheiro do caçador, não há caça. No entanto, por assim dizer, essa é uma competição em que o cão nem sempre sai vencedor. Com efeito, fazendo uso de seu instinto, seu conhecimento do território e suas artimanhas, a presa tem a capacidade de enganar as qualidades de seu adversário canino, que são seu olfato afiado, seu poder de persistência, sua robustez e certas habilidades peculiares para cada tipo de caça.

Habilidades naturais e treinamento

Como especialistas, os cães de caça são classificados em vários grupos estabelecidos pela Fédération Cynologique Internationale (FCI). Todos têm em comum grandes habilidades naturais, o fruto de um rigoroso processo de seleção conduzido durante décadas por criadores especializados. Entre as qualidades necessárias, a capacidade de tomar iniciativa vem em primeiro lugar: para o cão, não é apenas uma questão de ter um bom olfato, mas também de saber usá-lo. É aí que entra todo o trabalho necessário para treinar um cão de caça: exigindo muita paciência e tato, essa formação não é algo imutável e os métodos se diferem de acordo com os cães.
 
De modo geral, são necessários vários meses de trabalho diário para se obter um bom cão. Obediência, aquisição de posição (o famoso comando anglo-saxão "down") são requisitos a que deve ser adicionados para que o cão aprenda de fato a usar seu nariz. Todos os animais têm o olfato mais ou menos desenvolvido de acordo com a espécie e, no caso do cão, de acordo com a raça. Mas, ao final do treinamento, o cão deve ser capaz de distinguir os odores trazidos pelo vento a fim de evitar qualquer engano. Quanto ao cão apontador, este deve ser capaz de "buscar" em qualquer território e apontar sem se mexer, para não assustar a presa e deixá-la fugir; ele também deve buscar a caça abatida para o caçador.
 
Tudo que deve ser ensinado ao um cão a fim de minimizar as limitações.

O que está no sangue…

Por uma questão de princípio, e porque está em seu sangue, o cão de caça nunca será nem um cão de apartamento, nem um mero cão de companhia, o que é está no sangue não pode ser controlado. Portanto, adquirir um desses cães sem ser um caçador requer que você dê a seu animal oportunidades para correr e brincar todos os dias, já que a vida na cidade não é um campo de caça ideal!

Cães trufeiros

Existe uma função bem peculiar que os cães cumprem em nome do prazer da culinária: é acavage ("escavação"). O que se esconde por trás desse termo um tanto obscuro, derivado da palavra "cavadou", que em francês designa o instrumento que permite retirar as trufas do solo, é simplesmente a busca por trufas.
 
A busca por trufas, cogumelos subterrâneos tão raros que são apelidado de "ouro negro", tem sido tradicionalmente confiada ao olfato de inúmeros animais: caprinos, ovinos, suínos e, mais recentemente, cães, por serem mais maleáveis e fáceis de serem transportados.
Todas as raças de cães podem ser utilizadas para esse fim, desde que recebam a formação indispensável para que possam encontrar as trufas de forma profissional (campos artificiais de trufas) ou de forma amadora (campos naturais de trufa).
 
O método tradicional exige que você tenha uma ninhada de cachorros destinados a essa atividade e que sejam impregnados, logo ao nascerem, com o cheiro das trufas, através das mamas da mãe, as quais são esfregadas com o suco da trufa, e sistematicamente, através da adição do suco de trufa à futura dieta. O cão, em seguida, associa o cheiro das trufas ao seu alimento e tende a procurar por aquele cheiro.

Cães detectores de minerais

Em 1962, cães foram utilizados pela primeira vez na Finlândia para a detectar minerais. Na época, o trabalho consistia em fazer com que o cão buscasse rochas sulfurosas para fins de prospecção. Esta iniciativa foi então usada novamente com sucesso na Suécia, Rússia e Canadá. Em outros países, o cão é agora usado para procurar depósitos de níquel e cobre, embora sejam mais difíceis de serem descobertos, já que as rochas sulfurosas desprendem um odor mais forte. Embora a abordagem de treinamento, feito através de brincadeiras, seja semelhante à utilizada para os cães detectores de drogas ou explosivos, dizem que nos países do Leste Europeu e na Escandinávia, um bom cão consegue descobrir um depósito de até quinze metros de profundidade.

  • facebook
  • twitter
  • youtube